Academia Niteroiense de Letras

 


 

Menu

 

Diretoria

Conselho Fiscal

Histórico

Patronos

Atuais Acadêmicos

Ex-Acadêmicos

Biblioteca

Programação

Endereço

Trabalhos Literários

Revista Virtual

Fale Conosco

 

 

   

Resenha Literária

 
 

 

Resenha literária

 

Resenhista: Emerson Rios (rios.emerson@gmail.com)

Autor dos livros O Vampiro de Niterói (2005), A Visita de Iuri Gagarin à Niterói (2006), Estância Não Caiu e outros contos (2011), O Banquete dos Mendigos (2012), Crônicas Urbanas (2013) e Praia de Icaraí – Verão de 1959 (2015). Além desses Emerson Rios é autor de 10 (dez) livros técnicos na área de tecnologia da informação e ocupa atualmente a cadeira número 39 da Academia Niteroiense de Letras.

emerson rios 

 

Livro: Hugo Chavez, o espectro

Número de páginas: 238
País: Brasil
Ano:  2018

 

Hugo Chavez

 O autor desse livro, Leonardo Coutinho, é jornalista da revista Veja e esteve diversas vezes na Venezuela para procurar entender o que acontecia naquele país após a instalação da chamada República Bolivariana com a eleição do presidente Hugo Chávez. Ele tenta explicar como o uso político de uma das maiores empresas petrolíferas do mundo (PDVSA) levou a mesma a uma situação quase falimentar. Eu, particularmente, estive na Venezuela em 2007, ainda no governo chavista, e fiquei surpreso com o preço da gasolina que na época custava 5 centavos de real, ou seja, era quase dada de graça. Atualmente o valor da gasolina na Venezuela é de aproximadamente 4 centavos. Naquela data fui participar de um campeonato de natação na Isla de Margarita, outrora destino turístico muito apreciado pelos brasileiros, mas a ilha estava totalmente abandonada e sofrendo um processo favelização.  O que Leonardo Coutinho retrata neste livro, de forma detalhada, eu tive a oportunidade de presenciar quando lá estive. Com a falta de recursos disponíveis para os seus programas sociais, pois a PDVSA estava sendo sucateada, o tal governo bolivariano procurou outros recursos através do narcotráfico e do terrorismo internacional. Ou seja, Hugo Chavez e depois Maduro levaram a Venezuela a uma situação de falência total. Outra vez, eu estive na Colômbia para participar de outro campeonato de natação e notei que os venezuelanos compravam papel higiénico e pasta de dentes para levarem de lembrança para amigos enquanto os outros atletas compravam coisas típicas da Colômbia. O que o autor descreve neste livro, eu por outras vias, tive a oportunidade de confirmar. O que nos deixa triste é que a Venezuela foi o único país democrático da América Latina, enquanto, nas décadas de 1970 e 1980 eram todos ditaduras militares.